Blog »

Última Atualização: 31/07/2012 às 12:08:51 por: mario
 
CRIATIVIDADE: COMPETÊNCIA ESSENCIAL - V
(* Mário Heinen)

Os últimos TEXTOS DA TERÇA vem trazendo os cinco motivos para que nós, seres humanos de nossa atual sociedade, consideremos a criatividade uma competência essencial, fator de sobrevivência. Nesses TEXTOS, já foram abordados quatro destes cinco motivos para ser criativo:

1. Ferramenta para adaptação à mudança
2. É divertido ser criativo
3. Aumenta a percepção do tempo de vida
4. É fator altamente motivacional
5. Inovação e criatividade: indissociáveis e essenciais

Chegou a hora, então, de falar sobre o quinto motivo para ser criativo:

Inovação e criatividade

Os conceitos criatividade e inovação são indissociáveis; no entanto, não são sinônimos. Há quem os distinga, afirmando que "a criatividade é a faísca e a inovação é a mistura gasosa. A primeira dura um pequeno instante; a segunda, perdura e realiza-se no tempo. É a diferença entre inspiração e transpiração, a descoberta e o trabalho".

Normalmente a criatividade é um processo individual, nasce da idéia que surgiu na cabeça de alguém, enquanto a inovação é um processo coletivo, que deve ser trabalhado em equipe e conduz coletivamente a uma mudança de percepção. Por isso se diz que determinada pessoa é criativa e a empresa "tal" é inovadora.

Não existe inovação sem criatividade, pois a inovação é a aplicação prática da criatividade, ou seja, uma idéia resultante de um processo criativo só passará a ser considerada uma inovação caso seja realmente aplicada. Caso contrário, é considerada apenas uma invenção. Segundo Larry Hirst (ex-chairman da IBM), "invenção é transformar dinheiro em idéias, e inovação é transformar idéias em dinheiro". A inovação tem, pois, esse caráter de concretização, que só assim poderá gerar criação de valor.

Inovação

Inovação significa novidade ou renovação. A palavra é derivada do termo latino innovatio, e se refere a uma idéia, método ou objeto que é criado e que pouco se parece com padrões anteriores.
Inovação é o processo que inclui as atividades técnicas, concepção, desenvolvimento, gestão e que resulta na comercialização de novos (ou melhorados) produtos, ou na primeira utilização de novos (ou melhorados) processos.
Inovação pode ser também definida como fazer mais com menos recursos, por permitir ganhos de eficiência em processos, quer produtivos, quer administrativos ou financeiros, quer seja na prestação de serviços, potenciar e ser motor de competitividade. A inovação, quando cria aumentos de competitividade, pode ser considerada um fator fundamental no crescimento económico de uma sociedade.

Inovação pode ser diferenciada em tipos de inovações, entre outros:
• Inovação do produto;
• Inovação do processo;
• Inovação organizacional;
• Inovação de marketing.

A inovação tanto pode ocorrer por meio de uma ação perfeitamente planejada quanto por simples acaso. No entanto, empiricamente verifica-se que poucas inovações brotam do acaso. A maior parte das inovações, em especial as mais bem sucedidas, resultam de uma busca consciente e intencional de oportunidades para inovar, dentro e fora da organização, seja uma empresa, Escola, ONG.

Tipicamente, as inovações podem acontecer pela ocorrência, conjunta ou isolada, de oito principais situações:
1. em consequência de factos inesperados;
2. por incongruências;
3. por necessidade;
4. por mudanças na indústria ou no mercado;
5. mudanças demográficas;
6. mudanças de percepção;
7. novos conhecimentos;
8. imposições legais ou regulamentares.

A inovação é fundamental, pois através dela as organizações tornam-se capazes de gerar riqueza contínua e, assim, manterem-se ou tornarem-se competitivas nos seus mercados. Contudo, na maioria dos casos, as organizações usam os concorrentes como base de referência para as suas próprias iniciativas de inovação. Com isso, as estratégias competitivas tendem a ser muito parecidas dentro de um mesmo mercado e apenas a empresa que se afasta do grupo competitivo de empresas consegue cumprir seu papel de aumento de competitividade e consequente geração de riqueza.

Para que se crie um ambiente corporativo propício à geração e à gestão da inovação é necessário que os líderes das organizações promovam a inovação, sejam inspiradores de inovação, sendo que a melhor forma de o fazer é trabalhar para que os conceitos e estratégias de inovação sejam assimilados por todos os colaboradores; depois pelos clientes e fornecedores. Isso, provavelmente, provocará a "contaminação" da cultura organizacional pelo "vírus" da inovação.

"Alguma dúvida sobre a importância da inovação/criatividade na nossa vida...?!"

 

Na semana que vem, o TEXTO DA TERÇA terá o seu último artigo desta série sobre

Criatividade: Competência Essencial

...com mais uma surpresa!

 

* MÁRIO HEINEN é psicólogo, pós-graduado em Administração de RH, Dinâmica de Grupo e em Gestão da Qualidade para o Meio Ambiente. Consultor de organizações em Desenvolvimento Humano e Organizacional, RH, Endomarketing, T&D, Qualidade Total, Gestão Ambiental e 'Eco Training'. Ex-professor da UFRGS (Administração), da ULBRA (Psicologia), e ex-Diretor da FAJERS. Sócio Diretor da HEINEN - Parceria em Recursos Humanos.

 

 

Compartilhar:

 

< Voltar           Imprimir

Ir à página inicial Notícias Sobre Ecotraining Serviços Parcerias Contato