Blog »

Última Atualização: 04/07/2012 às 17:06:10 por: mario
CRIATIVIDADE: COMPETÊNCIA ESSENCIAL - II
(* Mário Heinen)

A criatividade é o exercício do pensamento criativo. Este pensamento criativo, por sua vez, nos diferencia dos demais seres - e máquinas. E ele faz uso de nossa inteligência. Porém, a criatividade não ‘depende' da inteligência, entendendo essa inteligência não como educação formal/escolar/acadêmica. Naturalmente, todo o conhecimento disponível para o pensamento criativo vai ser mais uma possibilidade para o processo criativo.

Se entendemos que a criatividade é uma competência essencial, há de se ressaltar que temos que ter o nosso "CHA" para esta (criatividade):
                                                  C - Conhecimentos criativos = Saber criativo

                                                 H - Habilidades criativas = Saber fazer criativo

                                                  A - Atitudes criativas = Querer fazer criativo

Assim, cabe aqui trazer o conceito e a forma de entender o ‘Pensamento Criativo' do Dr. Roger Von Oech, referência neste assunto, em texto escrito no seu livro "Um Toc na Cuca" de 1983. As dimensões do pensar criativo, como ele é particular de cada um, como se manifesta,...

 

O QUE É PENSAMENTO CRIATIVO
(** Roger Von Oech)

Uma vez eu perguntei a Carl Ally (o fundador da Ally&Gargano, uma das agências de publicidade mais inovadoras dos USA) o que faz uma pessoa criativa "funcionar". Ally respondeu: "o criativo quer ser um sabe-tudo, quer saber técnicas modernas de produção, arranjos florais, preços do porco no mercado futuro. Porque nunca se sabe quando as informações vão se juntar para formar uma nova idéia. Pode acontecer dali a seis minutos, seis meses ou seis anos. Mas ele tem certeza de que vai acontecer."

Concordo em número, gênero e grau. Conhecimento é a matéria prima das novas idéias. Porém, conhecimento só não basta para tornar uma pessoa criativa. Acho que todos nós já cruzamos com pessoas que sabem um monte de coisas e nem por isso coisas criativas acontecem. É que o conhecimento fica engavetado na cabeça e elas não pensam de maneira nova nas coisas que sabem. Portanto, a verdadeira chave para tornar-se criativo está no que você faz com o conhecimento que tem. O pensamento criativo supõe uma atitude, uma perspectiva, que leva a procurar idéias, a manipular conhecimento e experiência. Com essa perspectiva, você tenta diversas abordagens - primeiro uma, depois outra - frequentemente sem chegar a nada. Você usa idéias malucas, bobas e impraticáveis como trampolins para idéias novas e práticas. Viola normas ocasionalmente e caça idéias em locais inusitados. Em suma, ao adotar uma perspectiva criativa, você tanto se abre para novas possibilidades como para a mudança.

Um bom exemplo de alguém que agiu assim foi Johan Gutemberg. O que Gutemberg fez foi associar dois princípios independentes - a prensa de vinho e o cunho de imprimir moedas - para criar uma idéia nova. O cunho tinha por finalidade imprimir uma imagem sobre uma superfície pequena como a de uma moeda de ouro. A função da prensa de vinho era, e ainda é, fazer pressão sobre uma grande superfície, a fim de extrair o suco das uvas. Um dia, talvez depois de tomar um ou dois copos de vinho, Gutemberg brincou de se perguntar: "e se eu pegasse esses cunhos de moeda e colocasse vários deles sob pressão na prensa de vinho? Será que a imagem ficaria impressa no papel?" A combinação que resultou daí foi a prensa tipográfica e o tipo móvel.

Outro exemplo é Nolan Bushnell. Em 1971, Bushnell olhou para a sua televisão e pensou: "só ficar vendo TV não me basta. Quero jogar com ela e quero que ela me responda". Logo depois, criava o jogo "Pong", o tênis de mesa interativo que deu início à revolução do vídeo game.

Mais outro exemplo de pessoa que fez isso: Pablo Picasso. Um dia, Picasso saiu de casa e encontrou uma bicicleta velha. Olhou um pouco para ela e, em seguida, arrancou o selim e o guidom. Depois, soldou um ao outro para formar uma cabeça de touro.

Cada exemplo desses ilustra o poder que tem a mente criativa de transformar uma coisa em outra. Mudando a perspectiva e jogando com o conhecimento e com a experiência, podemos transformar o corriqueiro em extraordinário e o inusitado em lugar comum. Dessa maneira, prensas de vinho espremem informação, aparelhos de TV se tornam máquinas de jogar e selins de bicicleta viram cabeças de touro. O ganhador do Prêmio Nobel de Medicina Albert Szent-Györgyi colocou isso muito bem quando disse:

                                         "Descobrir consiste em olhar para o que todo mundo está vendo
                                                                        e pensar uma coisa diferente."

Portanto, se quiser ser mais criativo, olhe para o que os outros vêem e "pense uma coisa diferente".

 

Para encerrar a publicação deste Texto da Terça, vou editar dois textos altamente criativos e, em ambos, o autor brinca com o CONTRÁRIO. Aproveite!

 

VIVER AO CONTRÁRIO
(**Roger Von Oech)

Se a gente vivesse a vida de trás para a frente, é assim que a vida seria vista:
Viver é dureza. Toma todo o seu tempo, todos os fins de semana e, no fim, o que é que você ganha? ... A morte: grande vantagem...
Acho que o ciclo da vida está invertido. A gente devia primeiro morrer - assim, logo ficaria livre disso. Em seguida viriam vinte anos num asilo. Ao atingir a maturidade, a gente seria desligado do asilo, ganharia um relógio de ouro e iria trabalhar. Depois de trabalhar uns quarenta anos, até ficar jovem o suficiente, viria a aposentadoria.
Daí a gente iria para a faculdade, experimentaria drogas, álcool, iria a festas, até ficar preparado para o colegial. Depois do colegial viria o primário, a gente viraria criança, poderia brincar, não ter responsabilidade. Daí, todo mundo seria bebê de novo, voltaria ao útero, passaria os últimos nove meses flutuando, e terminaria como um intenso brilho no olhar de alguém.

 

Leia o texto a seguir de cima para baixo (um sentido) e depois de baixo para cima (sentido contrário). Isso é que é competência literária.

 Não te amo mais.
Estarei mentindo se disser que
Ainda te quero como sempre quis.
Tenho certeza de que
Nada foi em vão.
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada.
Não poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor.
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
EU TE AMO!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais...

(esse texto é tido como sendo de autoria da Clarisse Lispector, o que eu não consegui confirmar)

 

Na da próxima semana, o Texto da Terça estará abordando os diversos motivos para ser criativo nos dias de hoje, definindo e estabelecendo a CRIATIVIDADE como uma COMPETÊNCIA ESSENCIAL para qualquer pessoa.


** Roger Von Oech é fundador e presidente da Creative Think, empresa de consultoria com sede na Califórnia, especializada em criatividade e inovação. Realizou seminários e apresentações em grandes organizações do mundo inteiro, ressaltando-se a Coca-Cola, GE, Disney, Intel, MTV, Microsoft, NASA, Apple, Citigroup e o Comitê Olímpico dos Estados Unidos. É autor de dois outros livros sobre criatividade, A Whack on the Side of the Head e A Kick in the Seat of the Pants. Reside com a esposa e os filhos em Atherton, Califórnia.

* Mário Heinen é psicólogo, pós-graduado em Administração de RH, Dinâmica de Grupo e em Gestão da Qualidade para o Meio Ambiente. Consultor de organizações em Desenvolvimento Humano e Organizacional, RH, Endomarketing, T&D, Qualidade Total, Gestão Ambiental e 'Eco Training'. Ex-professor da UFRGS (Administração), da ULBRA (Psicologia), e ex-Diretor da FAJERS. Sócio Diretor da HEINEN - Parceria em Recursos Humanos.

 

Compartilhar:

 

< Voltar           Imprimir

Ir à página inicial Notícias Sobre Ecotraining Serviços Parcerias Contato